quarta, 17 de agosto de 2022

Visão 2013

Publicações

  • Agosto 2022 CASTRO, Nivalde de; SANTOS, Vitor; MELLO, João As Perspectivas dos Mercados Locais de Energia em Portugal e na União Europeia

    Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro, Professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL-UFRJ), Vitor Santos, Professor do Instituto de Economia e Gestão (ISEG) da Universidade de Lisboa, e João Mello, Pesquisador e doutorando da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, analisam o conceito de mercado local de energia, uma inovação tecnológica e regulatória em curso. Os autores concluíram que “uma dinâmica inovadora de mudanças radicais no mercado de energia da UE e, especificamente, de Portugal, derivadas diretamente da digitalização, irá contribuir para o processo de descarbonização, objetivo maior e estratégico da transição energética. Ademais, o esforço de aprimoramento do marco regulatório europeu frente às inovações tecnológicas poderá servir de base para sistematizar subsídios para o Brasil modernizar o seu mercado elétrico.”
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Agosto 2022 CASTRO, Nivalde de; CHAVES, Ana Carolina; SANTOS, Luan O Mercado financeiro e a economia de baixo carbono no Brasil

    O Mercado financeiro e a economia de baixo carbono no Brasil Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro (professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL), Ana Carolina Chaves (Pesquisadora Plena do GESEL) e Luan Santos (Professor da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis FACC/UFRJ e do Programa de Engenharia de Produção – PEP/COPPE/UFRJ), abordam o mercado financeiro e a economia de baixo carbono no Brasil. Segundo os autores, “transformar as estruturas produtivas de países com distintas dinâmicas econômicas para atender as exigências de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) é um empreendimento complexo, tendo em vista que se situam em diferentes escalas de desenvolvimento econômico e social. Dessa forma, para que o Acordo de Paris e seus desdobramentos sejam bem-sucedidos, deve-se explorar uma pluralidade de estratégias para a descarbonização”.
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Julho 2022 LEAL, Luiza Masseno; GOMES, João Pedro Silva; GONÇALVES, Leonardo de Oliveira; COSTA, Vinícius José da Resiliência Climática do Setor Elétrico

    Em artigo publicado pelo Grupo de Estudos do Setor Elétrico da UFRJ (GESEL), Luiza Masseno Leal (Pesquisadora do GESEL), João Pedro Silva Gomes (Pesquisador do GESEL), Leonardo de Oliveira Gonçalves (Pesquisador júnior do GESEL) e Vinícius José da Costa (Pesquisador júnior do GESEL) analisam o conceito de resiliência climática no setor elétrico, seus principais pilares, assim como os desafios e ameaças que se apresentam na atualidade. Os autores destacam que os debates e estudos acerca do tema ganham importância no âmbito internacional a partir da percepção e da avaliação do potencial e da intensidade das ameaças que os eventos climáticos extremos representam para a sociedade. Desse modo, aponta-se a necessidade do estabelecimento de metas e investimentos para a promoção da resiliência do setor. Além disso, os autores concluem que “(...) a resiliência climática ainda deve ser analisada nos planos estratégicos e regulamentos nacionais de energia e clima, incentivando os investimentos em resiliência nos sistemas elétricos.”

  • Julho 2022 CASTRO, Nivalde de O Setor Elétrico Brasileiro e o ingresso na OCDE

    Em artigo publicado pelo Broadcast Energia da Agência Estado de São Paulo, Nivalde de Castro, Professor do Instituto de Economia da UFRJ e Coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL), aborda o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e trás um foco analítico para o Setor Elétrico Brasileiro (SEB). O autor concluiu que “neste sentido, e a título de conclusão, o SEB, por ter consolidado um marco regulatório sólido e com uma dinâmica cadeia produtiva, poderá fixar cenários de expansão da modernização do mercado de médio e longo prazo, garantindo e contribuindo para o Brasil ingressar na OCDE”.
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Julho 2022 OLIVEIRA, Luiza Di Beo; TORRES, Thamara França do C.; MAESTRINI, Marcelo; SENRA, Paulo Mauricio A. Como o e-carsharing pode auxiliar no desenvolvimento da mobilidade urbana sustentável?

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Luiza Di Beo Oliveira (Pesquisadora associada ao GESEL-UFRJ), Thamara França do C. Torres (Pesquisadora associada ao GESEL-UFRJ), Marcelo Maestrini (Pesquisador Pleno do GESEL-UFRJ) e Paulo Mauricio A. Senra (Pesquisador Pleno do GESEL-UFRJ) analisam a importância da implementação do e-carsharing, no contexto do desenvolvimento de uma mobilidade urbana sustentável. O artigo inicia-se afirmando que “segundo a ONU, para que exista uma mobilidade urbana sustentável, é necessário que os deslocamentos produzam o mínimo de externalidades negativas, como poluição atmosférica e sonora, congestionamentos, entre outros, atendam toda a população e agreguem ao planejamento questões sociais, econômicas, políticas e físicas.” Em seguida aponta-se que “quando se trata de matriz de transporte racional, busca-se uma maior participação dos modos de transporte públicos e de grande capacidade. Contudo, apesar de fundamental para a qualidade da mobilidade urbana, por suas características e falta de investimentos, esses modos de transporte não conseguem, sozinhos, suprir integralmente as necessidades de deslocamento da população.” Nesse sentido, inclui-se a possibilidade do e-carsharing. Por fim, conclui-se que: “(...) os veículos elétricos compartilhados promovem a diminuição dos deslocamentos com veículos privados, reduzem as emissões de gases de efeito estufa e de poluentes atmosféricos locais e auxiliam na expansão da infraestrutura e das tecnologias necessárias para o desenvolvimento mobilidade elétrica.”
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Julho 2022 ROSA, Cristina; COIMBRA, Monique; BARBOSA, Pedro; CHANTRE, Caroline; ROSENTAL, Rubens A centralidade da sustentabilidade na agenda ESG: perspectivas para o setor elétrico em transição

    Em artigo publicado pelo GESEL, Cristina Rosa, Monique Coimbra, Pedro Barbosa, Caroline Chantre e Rubens Rosental abordam o crescente debate em torno das práticas ESG e seus três pilares: o ambiente, o social e a governança. Segundo os autores, “Com base nesses três fatores, a agenda ESG parte de um processo que perpassa a integração de um estilo de vida sustentável pelas empresas, exigindo planejamento e continuidade nas práticas corporativas voltadas à inserção de políticas sociais e ambientais e à promoção de uma gestão incorruptível”. O presente artigo tem como objetivo investigar a agenda ESG, desde sua origem até o panorama atual, trazendo em destaque a importância do panorama ambiental para o tema.

  • Julho 2022 BRITO, Kalyne; BALMAS, Matheus; CHANTRE, Caroline; ROSENTAL, Rubens Impactos das mudanças climáticas no setor elétrico: O papel da geração distribuída e do armazenamento de energia

    O artigo escrito por pesquisadores do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL), analisa o impacto de eventos climáticos extremos no setor elétrico brasileiro e as possíveis soluções para evitar tais prejuízos. Os autores destacam que o uso da geração de energia distribuída (GD) e o armazenamento de energia, sejam eles aplicados de forma individual ou associados, terão um importante papel no aumento da resiliência do setor elétrico, e podem garantir que os impactos causados pelas mudanças climáticas no setor sejam minimizados, pois as tecnologias “reduzem o impacto da alteração dos ciclos hidrológicos, minimizam as interrupções de energia por danos nas linhas de transmissão e aumentam a flexibilidade do setor”.

  • Julho 2022 CASTRO, Nivalde de; CÂMARA, Lorrane Distribuidora de energia elétrica do futuro

    Em artigo publicado pelo Broadcast Energia da Agência Estado de São Paulo em 30 de junho de 2022, Nivalde de Castro e Lorrane Câmara tratam dos desafios enfrentados pelas distribuidoras de energia no contexto do processo de transição do Setor Elétrico. Segundo a autora e o autor, "o processo de transição está impondo uma transformação no mercado das concessionárias de distribuição, tendo em vista que os impactos e as possibilidades das inovações tecnológicas associadas ao vetor da descentralização irão ocorrer no espaço geográfico dos monopólios naturais e configurar o que a literatura mundial denomina por distribuidoras do futuro, abrindo um imenso potencial de oportunidades de novos negócios."
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Junho 2022 CHAVES, Ana Carolina; AQUINO, Thereza; IVO, Roberto O papel do financiamento nos projetos de hidrogênio verde na União Europeia: um exemplo a ser seguido

    Em artigo publicado pela Agência Canal Energia, Ana Carolina Chaves (pesquisadora plena do GESEL), em conjunto com Thereza Aquino (Professora da Escola Politécnica da UFRJ e Pesquisadora associada do GESEL) e Roberto Ivo (Professor no Departamento de Engenharia Industrial da UFRJ) tratam do papel do financiamento nos projetos de hidrogênio verde na União Europeia, e como esse exemplo pode ser seguido. Segundo os autores, “ a União Europeia vem anunciando, desde 2018, pacotes como parte dos planos de estímulo econômico ao hidrogênio, com cifras que já ultrapassam € 7 bilhões. No âmbito mundial, dos € 70 bilhões de financiamento público prometidos pelos diferentes governos para apoiar o setor de hidrogênio, mais da metade é proveniente dos estados-membros da União Europeia em coordenação com a Comissão Europeia.” Eles concluem que “ no Brasil, sem a conjugação de políticas públicas, seja através dos incentivos e regulação, como também do interesse e participação do capital privado, será difícil trilhar estratégias similares às adotadas pela União Europeia na implementação da indústria nacional do hidrogênio.”
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Junho 2022 CASTRO, Nivalde de; MOSZKOWICZ, Mauricio; ZAMBONI, Lucca Perspectivas da Energia Nuclear no Setor Elétrico Brasileiro

    Em artigo publicado no Broadcast Energia da Agência Estado de São Paulo em 16 de junho de 2022, Nivalde de Castro, Mauricio Moszkowicz e Lucca Zamboni tratam da volta da energia nuclear ao planejamento energético (especificamente dos pequenos reatores nucleares modulares – SMRs, sigla em inglês para Small Modular Reactors) em meio ao contexto de transição energética. Segundo os autores, “há demanda para a produção de energia elétrica via SMRs e há capacidade de oferta, desde a extração de urânio até a produção de equipamentos em série.
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Junho 2022 CASTRO, Nivalde de Crise na Ucrânia e a indústria nascente do hidrogênio verde no Brasil

    Em artigo publicado pelo BroadCast Energia, o Professor Nivalde de Castro, coordenador do GESEL, discorre sobre a atual crise na Ucrânia, a segurança energética coloca em risco na Europa e os caminhos que devem ser seguidos: “os países devem dar prioridade aos investimentos em recursos energéticos renováveis e não poluidores. Em suma, a descarbonização, que é o objetivo central da transição energética, ganhará velocidade”. Ressalta o uso de hidrogênio verde nos setores produtivos obrigados a reduzir a pegada de carbono em seus processos e abertura de possibilidades para o Brasil: “Esta alteração estrutural do mercado de energia imposto pela crise da Ucrânia abre uma possibilidade ímpar para o Brasil.”
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Maio 2022 CASTRO, Nivalde de Os ovos de Jabuti e o Setor Elétrico Brasileiro

    Foi publicado no último dia 19 de maio, pelo serviço Broadcast Energia (da Agência Estado de São Paulo), o artigo “Os ovos de Jabuti e o Setor Elétrico Brasileiro”, assinado pelo coordenador do GESEL, prof. Nivalde de Castro. Segundo Castro, “a existência de um marco regulatório consistente é a garantia de que novas cadeias produtivas poderão ser criadas e desenvolvidas, contribuindo para o crescimento e desenvolvimento não só do SEB, mas da economia brasileira tão carente de novos investimentos. No entanto, ‘ovos de jabutis’ estão sendo incubados no Congresso Nacional que colocam sob ameaça e risco a trajetória de sucesso de expansão dos investimentos no SEB”. Ainda segundo o coordenador do GESEL, “há no cenário político atual um grande risco para a segurança jurídica e marco regulatório do SEB derivado [destes] ovos de jabutis que estão sendo incubados pelo Congresso Nacional, refletindo interesses que beneficiam grupos específicos e/ou de populismos tarifário eleitoral.
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Abril 2022 CASTRO, Nivalde de; MARTINI, Sidnei A indústria e o planejamento da transmissão de energia elétrica

    Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro (professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL) e Sidnei Martini (Professor da USP e pesquisador associado do GESEL) tratam do funcionamento e as características do planejamento da transmissão de energia elétrica. Segundo os autores, “um ajuste metodológico de interação e articulação entre o planejamento e realização dos ativos de transmissão, focando as cadeias produtivas inerentes, levará à redução de custos, bem como ao fortalecimento da indústria de construção destes ativos, que é um aspecto estratégico para um País de dimensões continentais, como o Brasil.”
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Abril 2022 MINGORANÇA, Jeanderson Soares; SANTOS, Marcelo Maestrini dos; SENRA, Paulo Mauricio A Desafios do uso em larga escala de veículos elétricos: uma abordagem do ponto de vista da qualidade de energia elétrica

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, intitulado “Desafios do uso em larga escala de veículos elétricos: uma abordagem do ponto de vista da qualidade de energia elétrica”, os pesquisadores do GESEL Jeanderson Soares Mingorança, Marcelo Maestrini dos Santos e Paulo Mauricio Senra tratam dos desafios para a manutenção de um nível satisfatório da Qualidade de Energia Elétrica (QEE) das redes de distribuição com a possível massificação do uso dos Veículos Elétricos. Segundo os autores, “no caso específico da gestão da qualidade da energia, reguladores e distribuidoras deverão acompanhar de perto os efeitos provocados pelo crescimento das demandas em razão das recargas residenciais e, em especial, públicas”.
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Março 2022 CASTRO, Nivalde de; JÚNIOR, Fernando de Almeida Prado; CÂMARA, Lorrane Inovação no Setor Elétrico Brasileiro

    Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro, professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL-UFRJ), em coautoria com Fernando de Almeida Prado Júnior, professor de Pós-graduação da Escola Politécnica da USP, e Lorrane Câmara, pesquisadora plena do GESEL-UFRJ, analisam o paradigma de inovações no setor elétrico brasileiro. Segundo os autores, "mesmo neste dinâmico e complexo ambiente econômico, regulatório e de política energética, constata-se processo de inovações intenso e denso, onde muitas delas já demonstraram viabilidade técnica e econômica, com características de crescimento exponencial e que podem contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços, eficiência operacional e redução dos custos da energia elétrica". Por fim, os autores destacam a necessidade do setor elétrico se reinventar nesse cenário disruptivo: "muitas indústrias, como a financeira, de varejo e do entretenimento, a economia compartilhada e os sistemas de comunicação, especialmente a telefonia, sofreram alterações fundamentais e tiveram que se reinventar. O aumento do poder do consumidor, a entrada de novos players, desafiando os tradicionais incumbentes, a necessidade de respostas urgentes a problemas decorrentes da crise climática e a crescente exposição a tecnologias digitais são vetores que têm desafiado e impulsionado a inovação nessas indústrias e que também acometem o setor elétrico".
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Março 2022 LEAL, Luiza Masseno; DA COSTA, Vinicius Jose Braz; GONÇALVES, Leonardo; GOMES, João Pedro Ecossistema da Mobilidade Elétrica no Brasil: Panorama atual e novas oportunidades

    Em artigo publicado pelo GESEL, Luiza Masseno Leal (Pesquisadora Associada do GESEL/UFRJ), Vinícius José da Costa (Pesquisador Júnior do GESEL/UFRJ), Leonardo Gonçalves (Pesquisador Júnior do GESEL/UFRJ) e João Pedro Gomes (Pesquisador Júnior do GESEL/UFRJ), analisaram o panorama do ecossistema de ME, as principais iniciativas e políticas públicas no Brasil. Além disso, buscou-se avaliar as principais motivações e oportunidades para a ME no país. Os autores apontam que: “apesar do mercado de ME no país se encontrar em estágio incipiente em comparação aos países desenvolvidos, diversas corporações e instituições do setor público e privado, observando as janelas de oportunidades presentes, vêm se mobilizando e atuando de maneira conjunta nos últimos anos, com a finalidade de acelerar a sua difusão no Brasil.” Em seguida, destacam que “a falta de políticas públicas coordenadas e integradas para a promoção da ME ainda representa uma barreira para uma maior disseminação da indústria da eletromobilidade”. Por fim, ressalta-se que “o Brasil deve se beneficiar em larga escala com a expansão do ecossistema da ME, diante de benefícios ambientais e de saúde pública, de uma maior segurança energética, do desenvolvimento tecnológico e do aproveitamento de oportunidades econômicas.”

  • Fevereiro 2022 ZAMBONI, Lucca; CÂMARA, Lorrane; AMÂNCIO, Mateus Sandboxes Tarifários: Um Incentivo à Digitalização do Setor Elétrico Brasileiro

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Lucca Zamboni (pesquisador do GESEL-UFRJ), Lorrane Câmara (pesquisadora do GESEL-UFRJ) e Mateus Amâncio (pesquisador Associado do GESEL-UFRJ) tratam da importância da digitalização dentro da área tarifaria do setor elétrico, por exemplo, através de medidores inteligentes. Segundo os autores, “a tarifa na baixa tensão é monômia e volumétrica, o que não incentiva uma resposta ao preço do lado do consumidor. Porém, uma tarifa de baixa tensão dinâmica, com sinais de preço, pode servir de incentivo para descolar o consumo do horário de ponta, trazendo benefícios para o setor e promovendo a modicidade tarifária. Paralelamente, a iniciativa da Aneel pode incitar o avanço da digitalização do segmento de distribuição, favorecendo, também por esta via, a modernização do Setor Elétrico Brasileiro.”
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Fevereiro 2022 CASTRO, Nivalde de; SILVEIRA, Nelson Perspectivas da Mobilidade Elétrica no Brasil

    Na última quinta-feira, 10/02, o GESEL publicou mais um artigo no Broadcast Energia da Agência Estado de São Paulo, intitulado “Perspectivas da Mobilidade Elétrica no Brasil”. E na coautoria firmamos uma nova estratégia de parceria com representantes qualificados de grandes empresas. Neste estudo, cujo tema é a Mobilidade Elétrica, Nivalde de Castro (Professor do Instituto de Economia da UFRJ e Coordenador do GESEL) e Nelson Silveira (Diretor de Comunicação da General Motors no Brasil) concluem que, “a eletrificação dos veículos é uma nova realidade, concreta, possível e previsível, dada a dimensão mundial do processo de transição energética. E o Brasil, por sua dimensão continental, potencial econômico e complexidade e peso da indústria automobilística local, terá um papel importante entre os países emergentes na produção e na difusão dos VEs.”
    (Publicado pelo Broadcast Energia)

  • Fevereiro 2022 FEIL, Alex Sandro; ROCHA, Katia; SIFFERT, Nelson; CASTRO, Nivalde de Brasil na OCDE: Impactos para o Setor Elétrico Brasileiro

    Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Alex Sandro Feil (especialista em regulação da Aneel), Katia Rocha (técnica de planejamento e pesquisa na Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação e Infraestrutura (Diset) do Ipea), Nelson Siffert (diretor geral da ICT Rede de Estudos do Setor Elétrico – RESEL) e Nivalde de Castro (Professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico – GESEL/UFRJ), relacionam a decisão do Brasil entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e suas consequências para o setor elétrico brasileiro. Segundo os autores, “no caso do Brasil, além da transição energética e dos seus diversos determinantes, o processo de acessão à OCDE aparece como um elemento adicional a ser observado e com impactos de dimensões desconhecidas, especialmente no longo prazo. O país segue avançando nas adesões aos diversos instrumentos legais da OCDE, fato que já induz a melhoras nos ambientes econômicos e sociais. O próximo passo cabe à Organização, porém o caminho ainda é longo.”
    (Publicado pela Agência CanalEnergia)

  • Fevereiro 2022 ROSA, Cristina; COIMBRA, Monique; BARBOSA, Pedro; CHANTRE, Caroline; ROSENTAL, Rubens Microrredes: benefícios e desafios para o setor elétrico brasileiro

    Em artigo publicado pelo GESEL, Cristina Rosa (pesquisadora júnior do GESEL), Monique Coimbra (pesquisador júniora do GESEL), Pedro Barbosa (pesquisador júnior do GESEL), Caroline Chantre (pesquisadora do GESEL) e Rubens Rosental (pesquisador sênior do GESEL) analisaram os principais benefícios e desafios para implementação de microrredes no cenário brasileiro. Para isso, os mesmos destacaram “o estudo de caso da microrrede do Brooklyn, nos Estados Unidos, e da Copel, no Brasil, fornecendo perspectivas futuras para as microrredes para o território brasileiro”.  Segundo os autores, “o caso da microrrede do Brooklyn é uma exceção [...] com o sucesso deste projeto, o cenário brasileiro pode adquirir alguns insights. O primeiro se trata da necessidade de expandir o processo de digitalização em conjunto com os instrumentos de descentralização, neste caso, as microrredes. O segundo ponto refere-se à busca de uma maior autonomia frente às distribuidoras para o funcionamento dos sistemas de microrredes em ascensão, o que não é verificado no projeto da Copel”.

Página 1 de 13